Os principais erros do MEI: como evitá-los e ter sucesso no seu negócio próprio

Ser microempreendedor não é uma tarefa fácil, existem muitas taxas, obrigações e outros detalhes que surgem durante a jornada de abertura da empresa.
Com a ansiedade em ter o próprio negócio, muitos microempreendedores acabam pulando etapas importantes e cometendo erros que podem implicar posteriormente no fechamento da empresa.
De acordo com o IBGE, por três anos consecutivos, o número de empresas que fecharam no Brasil foi superior ao número de empresas que foram abertas.
Para evitar cair nessa estatística e não ver o sonho do próprio negócio ir por água abaixo, é importante estar atento aos erros mais comuns cometidos pelos microempreendedores.
Neste artigo vamos abordar alguns principais erros do MEI para que você possa evitá-los.

Abertura do MEI

A abertura da empresa é o primeiro passo para formalizar o MEI.
O MEI (Microempreendedor Individual) é um regime tributário criado especialmente para formalizar a situação dos microempreendedores e autônomos.
Ao optar por constituir um MEI, o erro mais comum que encontramos são os empreendedores que acham que basta abrir o MEI e pagar a taxa mensal que está tudo resolvido.
O que pouca gente entende é que as obrigações do MEI vão além do pagamento da DAS (Declaração Anual Simplificada) e do pagamento da taxa mensal.
Quando se abre o MEI, ao operar como pessoa jurídica existe outro registro obrigatório, o CNPJ.
Para manter esse registro ativo é preciso cumprir com algumas obrigações, que envolvem:

1. O recolhimento do imposto obrigatório;
2. No mínimo uma entrega anual ou mais dependendo da situação;
3. Controlar o faturamento;
4. Emissão de notas fiscais;
5. Controle de emissão de documentos fiscais, etc.

Muitas vezes o MEI nem imagina a importância de cumprir suas obrigações como pessoa jurídica. Por isso, quem abre uma empresa precisa estar sempre bem informado para não cometer erros.
Importante salientar também que, constantemente ocorrem mudanças na legislação, e os desinformados acabam tendo que pagar multas ao cometer erros que poderiam ser evitados com a orientação correta.
Por falta de informação, muitos MEIs acabam sendo pegos desprevenidos com a chegada de multas por falta da regularização.

Faturamento máximo do MEI

É comum que alguns empreendedores no início optem pelo MEI, por ser um regime tributário simples e com menos impostos.
O problema é quando o empreendedor faz o cadastro no MEI, mas possui um faturamento que ultrapassa o limite permitido.
Você sabe qual o valor máximo que um MEI pode faturar por mês?
O faturamento máximo do MEI atualmente é de até R$ 81.000,00 por ano, ou seja R$ 6.750,00 por mês. Para alguns tipos de negócio esse limite acaba excedendo facilmente.
Uma vez excedido o limite, o MEI deve se adequar à um novo regime tributário, o de microempresa (ME).
Para solicitar o desenquadramento é importante entrar em contato com um contador de confiança.
No ato do desenquadramento, se a empresa estiver irregular, pode acontecer de o empreendedor ser obrigado a pagar multas para regularização.

Imposto de Renda

O MEI deve atentar-se também às declarações de imposto de renda. Nesse momento, contar com a ajuda de um contador é crucial para não cometer nenhum erro.
Muitos empreendedores não sabem, mas a declaração do imposto de renda é diferente para quem é MEI.
Há uma parte dos rendimentos em que o MEI é isento, e é preciso atentar-se na hora de fazer os lançamentos.
Não fazer a declaração do imposto de renda da forma correta pode implicar em multas.

Cálculo do preço

Nem todo mundo gosta de fazer cálculos, não é verdade? Mas, quando se trata do próprio negócio, lidar com os números deve ser algo frequente, principalmente quando esses cálculos visam um fator muito importante: o lucro.
É muito comum que no início, os empreendedores ainda não tenham uma noção real do valor do seu produto ou serviço, e acabam vendendo por preços abaixo ou muito acima do mercado.
É importante calcular todas as despesas que envolvem a venda, como o custo do produto ou serviço, as despesas fixas e a margem de lucro que você deseja obter.
O seu preço deve estar aliado com os benefícios do seu produto/serviço, não é interessante que esteja muito acima e nem muito abaixo da concorrência. Por isso você também deve realizar uma pesquisa entre os concorrentes da sua empresa para alinhar o preço de venda.


Planejamento

Quem decide abrir uma empresa precisa ter em mente que mais do que pagar taxas em dia, é preciso ter planejamento.
O planejamento é a etapa mais importante no processo de abertura de um negócio e deve ser levada a sério.
O empreendedor que não pula essa etapa tão importante, tem mais chances de crescimento no seu negócio.
É preciso estar com as finanças em dia e ter uma reserva para não ser pego de surpresa.
Ter dinheiro em caixa para pelo menos três meses sem lucro dará um suporte para aqueles primeiros meses em que ainda não se tem uma grande clientela.
Seja conservador e jamais meta os pés pelas mãos. Muitas vezes um erro que parece pequeno, acaba custando o fechamento do tão sonhado negócio próprio.


Consulte sempre um contador

Para não cometer nenhum erro e colocar em risco o crescimento da sua empresa é importante estar atento e procurar pela orientação correta.
As obrigações de um microempreendedor são inúmeras e vão além das finanças. É preciso cuidar da parte administrativa, do operacional, atendimento e do marketing. Dar conta de tudo isso sozinho ou com um funcionário não é tarefa fácil.
Diante desse cenário, o contador é o amigo que todo microempreendedor precisa ter do lado. Contar com uma contabilidade nesses momentos é primordial para não cometer erros e não gastar dinheiro com taxas desnecessárias ou até multas.
Na hora de buscar por uma contabilidade de confiança, conte com a ​ Bento Contabilidade​ .
Somos uma contabilidade completa e especializada, nós entendemos exatamente as necessidades das microempresas. Entre em contato com nossos especialistas e ​ solicite um orçamento​.