O que as empresas estão fazendo em meio a pandemia

O que as empresas estão fazendo em meio a pandemia

O coronavírus pegou todos de surpresa trazendo muitas dúvidas, incertezas, mudando rotinas e bagunçando a vida da maioria das pessoas. Empresas se adaptaram ao consumo em formato delivery, o home office ganhou vez e entrou na rotina de algumas pessoas que antes estavam em lojas, em agências e nas linhas de produção. A pandemia mudou a maneira dos negócios faturarem, isso é fato. Mas que tipo de transformações foram essas? Com tanta informação em sites jornalísticos, TV, rádio, redes sociais, pode ficar difícil entender que tipo de atitudes estão sendo tomadas por empresas grandes no mercado, e até por empresas pequenas. Ambas têm muito a ensinar. Confira:

1- Saúde

Um dos setores primordiais para a sociedade é justamente o da saúde. Com o coronavírus mais pessoas estão ficando em casa seguindo a quarentena, certo? Não são todas que conseguem comprar alimentos por delivery. Seja pela região ser muito afastada, ou por não ter restaurantes que realizam entrega, ou até por questão financeira (afinal, muita gente está sem emprego). Dessa forma, o setor de supermercados está crescendo, com alta
demanda de consumo e precisando de mais pessoas para trabalhar. De acordo com o G1:

“a rede Carrefour anunciou a abertura de 5 mil novas vagas para reforçar todas as operações: são operadores de lojas, auxiliares de perecíveis, agentes de prevenção, recepcionistas de caixa, padeiros, peixeiros, técnicos em manutenção, açougueiros, operadores de centro de distribuição e vendedores de eletrodomésticos.”

O Pão de Açúcar é mais uma empresa que demonstra flexibilidade diante da pandemia. Realiza vendas de forma on-line e atendimento em horários exclusivos para idosos, tomando todos os devidos cuidados.

Hospitais e clínicas são os principais tipos de locais que estão necessitando de profissionais voltados à manutenção e alimentação, como cozinheiros e nutricionistas. E claro, não poderíamos deixar de citar as empresas que estão voltadas para produtos de higiene e hospitalares, que atualmente possuem cada vez mais vendas.

2- Estilo de vida

Por mais que o coronavírus esteja trazendo caos para a saúde, desde o final do ano passado, há muitas pessoas que estão consumindo produtos online na internet sem receio algum. Já pensou em comprar uma blusa sem ter que sair de casa? Ou então um celular novo? Quem sabe um sapato que esteja na promoção? Aquela maquiagem que X blogueira usou e diz que é boa? Ou um serviço novo digital da Amazon?

O que não falta é opção neste atual cenário de coronavírus. Muitas empresas começaram a se abrir a essa maneira de vender produtos/serviços pela internet. E para quem pensa em trabalhar em casa com esse setor há uma gama imensa de opções: seja no setor de vendas, marketing, área jurídica, criação de conteúdos, desenvolvimento de sites e programas, edição de vídeos, consultorias, mentorias e etc.

O Youpix inclusive aborda em relação ao novo mundo dos influencers em meio a pandemia. O influenciador tem essa função de unir empresas com um possível cliente, disponibilizando cupons, explicando como funcionam os produtos e serviços, trazendo maior visibilidade para a marca através de redes sociais como Instagram e Youtube. Mas e como fica a influência? A galera da Youpix abordou sobre esse assunto em uma live que vale a pena conferir.

3- Turismo e eventos

Esse é um setor que sofre demais com a pandemia, justamente por conectar pessoas. Hoje são encontradas formas de “viajar” sem sair de casa. Sem vender pacotes e passagens, a crise vem com tudo. Além de locais que realizam eventos, envolve fotógrafos, Djs, cantores, bartenders, seguranças, equipe de montagem de eventos, serviços de som, buffet, serviços de decoração e muitos outros.

De acordo com a UOL: “Campeonatos de futebol suspensos, shows e espetáculos adiados, feiras de negócios canceladas. Com a recomendação de distanciamento social para combater a disseminação do coronavírus, o setor de eventos tem enfrentado estagnação, que pode trazer o pior ano em duas décadas.”. Sendo assim, empresas desse ramo estão se conectando mais com pessoas e buscando maneiras de sobreviver diante desse momento.

Mesmo com o governo auxiliando os trabalhadores desse setor, há empresas que estão criando uma vaquinha online para auxiliar quem está nesse ramo.

Enfim, o coronavírus veio e mobilizou pessoas, para repensar em tudo. Formas de consumo, formas de viver, formas de trabalhar, formas de se alimentar e principalmente de se relacionar. Há muitas teorias sobre como será a nova visão após esse vírus ser combatido… algumas com tendências políticas e outras apocalípticas. Mas o fato é que o mundo não será o mesmo.

 

As empresas estão criando novas oportunidades, enxergando maneiras de se reinventar, e de ajudar não somente ao planeta mas as pessoas que irão consumir o produto/serviço. É algo que a Cultura da Saúde ensina. Não sabe do que se trata? Basicamente seria um modelo de consumo baseado em bem estar coletivo de todos que o produzem, consomem, e do próprio planeta em si. Um conjunto que agrega esse sistema, porque no fim todos nós dependemos um do outro.

Em meio a tudo isso sempre há um aprendizado, ou dois, ou até mais. Sua empresa pode desmoronar, ou criar algo que irá alavancar, se aproximar do seu cliente e atender aos seus pedidos. Saiba pesquisar, ler, procurar empresas que sejam do mesmo nicho que você. E busque estratégia do mundo de empreendedorismo como: ter equipes para tomar decisões diante das emergências, já possuir um plano B pensando em possíveis riscos e que tipos de atitudes deverão ser feitas, ter suporte para que todos que estejam na empresa tenham bem estar físico e mental para retomar os trabalhos e planos para logística em meio há urgências. Tudo isso deve estar no planejamento da sua empresa, independente de ser grande, média ou pequena.

Entenda também os medos, as necessidades atuais do seu cliente e seja próximo. Com essa pandemia as pessoas precisam cuidar umas das outras, seja dando um pouquinho de álcool em gel dentro da sacolinha de pedidos que você irá entregar, ou então escrevendo a mão uma mensagem de positividade como: “vai passar, fique em casa e se cuide!”, essa empatia cria uma relação poderosa e sua marca tende a crescer ainda mais.

Portanto, esteja atento às empresas que demonstram esse tipo de empatia, que estão falando a língua do seu consumidor, e estude. A Homa faz conteúdos que irão te auxiliar nesse quesito (inclusive se seu negócio for local), dê uma olhada quando puder e enfrente essa pandemia inovando e arriscando.

A equipe da Bento Contabilidade permanece home office, mas com o atendimento 100% funcionando. Se houver dúvidas sobre questões contábeis, não deixe de falar com a gente.

By contabilit Coronavírus 0 Comments